Compartilhe


Será realmente um desafio. Primeiramente, responda a pergunta da imagem acima. Olha, se chegar a 25%, está de bom tamanho. Não é um número favorável, não ainda, mas se compararmos com os livros que estão à venda no mercado com "brilho" em volta, já é um bom começo.

Esse é o grande problema do leitor brasileiro. Tudo o que vem de fora, todos os best-sellers, funcionam como uma regra que diz "Isso merece ser lido. Esqueça os outros!". E também o fato de que sempre achamos, não apenas na mídia literária, mas na cinematografica também, que tudo o que vem de fora é bom, e tudo o que se produz em próprio âmbito nacional é..., não vou eufemizar, essa é a verdade, é uma "merda"! É uma pena que tal visão seja comum entre nós. No universo literário, esse costume cria um grande muro de dificuldades para os escritores brasileiros.

O meio mais influente para suas vendas atualmente, posso dizer que com certeza, é a internet. A comunicação através do meio digital diminuiu a distância entre escritor e leitor, e entre os próprios leitores. O boca a boca de antes pode ser feito em inumeras redes sociais. E os livros que se privilegiarem com isso estão num bom caminho. Mas ainda não é suficiente, não para os escritores nacionais. É preciso mais, é preciso reconhecimento e maior valorização.

Neste blog, vocês puderem conferir alguns posts sobre alguns livros nacionais e até resenhei os que já li. ( Filhos de Galagah e o Senhor das Sombras; Aura de Asíris - A Batalha de Kayabashi; O Véu; Rede de Sonhos; Dex; e muitos outros que ainda vou falar aqui). Além disso, deem um "zoom" na minha estante do Skoob com livros que ando lendo, e veja se não há um autor nacional ali, ou melhor, acesse meu Skoob e olhe quantos livros nacionais estou para ler. Muitos, não? É porque acredito no nosso potencial. Por que acredito que não somos nem melhores e nem piores que os estrangeiros, mas sim, tão escritores quanto eles.

Essa é a idéia do Desafio Nacional. Valorizar os livros de escritores brasileiros e fazer os leitores conheceram o vasto mundo de palavras que estão perdendo.

Assim como o meu blog Acervo Fantástico Nacional(meio parado, infelizmente); a Revista Fantástica que será lançado ainda este mês; chega o Desafio Nacional, para mostrar a todos, que temos força e vontade para mudar.


5 comentários:

Yokuo disse...

Opa! Fiz as contas e, na minha estante, 39% dos livros são de autores nacionais! Até que não está tão ruim! Hehe. Até porque nem todos os estrangeiros são americanos, tem alguns franceses, um alemão, um escocês, três ingleses... Ou seja, tá bem variado nas nacionalidades, haha.

Cara, a situação do livro nacional, em especial o de ficção fantástica, tá muito melhor do que alguns anos atrás. Best-sellers estrangeiros mostraram que livros também podem atingir jovens leitores de forma poderosa contanto que seja de um tema que os agrade. E aí os editores daqui começaram a sacar que não era necessariamente de onde o livro vinha que era importante, e sim sobre o que ele era e em que público estava focado. Com isso, as apostas no autor nacional começaram a aumentar, e acho que é uma questão de tempo até que surja um fenômeno da literatura fantástica juvenil nacional que atinja o país todo.

Um grande impedimento é que o Brasil, antes de dizermos que "ninguém tem o hábito de ler", é um país onde há muitos analfabetos, analfabetos funcionais e poucas pessoas com condições para adquirir um livro, que, diferente dos EUA onde eles saem em versão paperback bem baratinhos, aqui custam muito caro, sendo sempre artigos de luxo, com capas duras e bem feitas. É como se aqui só a elite tivesse o direito de ler um livro. Felizmente, com a Internet e os e-books, o acesso a vários tipos de livros ficou mais fácil, e pouco a pouco estamos rumando para uma era onde os livros serão uma parte indispensável de grande parte da população brasileira.

Wilgner Murillo Santos (WMS) disse...

OI, Luiz... vi seu blog e achei bem maneiro, brother!!
Sobre a postagem, isso é bem interessante, pois a maioria dos meus livros são dos escritores Dan Bronw e Sidney Sheldon... (Parece que os livros chamam a pessoa... Leia-me, Leia-me)
Porém confesso que também tenho livros de autores brasileiros....

Valew, brother.

E também passei aqui para perguntar se posso divulgar o link do teu blog no meu website????

Luiz dreamhope disse...

@Yokuo

Na minha estante, que só comecei a encher mesmo na segunda metade do ano passado, tenho 7 livros nacionais. Os outros são Hp, Senhor dos Aneís, Narnia, e dois do Dan Bronw. Obras muito comuns, e quase frequentes em qualquer estante. Mas a maior partes destes livros nacionais foram adquiridos este ano. Atualmente, estou finalizando "Guerra das Sombras" de Jorge Tavares. Livro muito show!

Nossa, sua estante é mesmo uma salada. rsrs

Sim, com certeza. A situação do gênero fantástico está muito melhor com o advento de muitos clássicos, em muita parte, apoiados pelo cinema, do que anos atrás. Hoje por exemplo, se um livro nacional falar sobre vampiros as chances dele ser comprado por alguém são altas. ( Como André Vianco foi sortudo em pegar a onda vampiresca. Apesar de que os livros dele já faziam um moderado sucesso por aqui) Mas a questão é que notei muitos livros nacionais sobre vampiros ultimamente, que vem agradando muita gente. Mas vampiros ou não, o céu tá ficando mais azul.
Na internet ocorreu uma grande proliferação de blogs literários e de novos autores que vem cada vez mais chamando atenção. O Desafio Nacional é mais uma forma de divulgar nossa literatura, aproveitando que a internet ainda é o veiculo mais promissor para encontrar novos livros.

Infelizmente, como você mencionou ainda temos fatores retrógrados. É um cúmulo comprar livros nacionais por 50,00 reais, enquantos outros estrangeiros a gente compra a preço de banana. A gente que faz e a gente paga mais caro, é incrível. E se o livro não for bom, a consideração pelos livros nacionais cai bastante. "Gastei dinheiro à toa nesse livro ridiculo, podendo comprar um Percy Jackson?" falaria alguém.
Com isso, é claro que muita pouca gente irá ter acesso a livros. Nem mesmo bibliotecas aí, pelo menos nas redondezas de onde moro. Sem falar que, no meu caso, pra me achar uma boa livraria são horas de percurso. E quanto ao incentivo nas escolas, nem se fala. Realmente ainda há muita coisa a ser revisada para que o Brasils se torne um pais de leitores. E do jeito que somos administrados eu prefiro dizer FFFFUUUUUUUUU!!!!!
Hehe, também não é pra tanto desespero. Gradualmente, chegaremos num patamar aceitável.

"...e acho que é uma questão de tempo até que surja um fenômeno da literatura fantástica juvenil nacional que atinja o país todo."
Hah, tu acha que não notei um Elementais nas entrelinhas?

@Wilgner

Bem vindo ao blog, cara. Fico contente que tenha gostado. Sempre que puder, confira alguns posts legais por aqui. ;)

Eh, alguns autores estrangeiros, só de ver o nome, seus produtos literários parece que surgem com um logo de "Leia-me, Leia-me" realmente. Claro, que eles devem ser valorizados, mas não a ponto de esquecer outros, inclusive os brasileiros. Que legal que você possui alguns livros nacionais. Seria uma boa também postar sobre o que você achou deles lá no seu blog. Embora seja uma simples postagem, isso ajuda a qualquer um que entrar no seu blog a melhorar a visão sobre nossos livros.

E quanto à linkagem. Se pode? Hehe. Faça isso =) Ficarei muito grato. Vou colocar o seu também naquela lista de entretenimento ali do lado. ;)
Valeu!

Daniel Silva disse...

bom.. tenho poucos livros.. mas o meu escritor preferido brasileiro é o rubem fonseca.

abraço

Isie Fernandes disse...

Também tenho poucos livros, pouco menos de cem, começamos a coleção este ano. Mas cerca de 36 deles são de autores brasileiros, alguns são desconhecidos (Hehe!), gente que sonhava em escrever um livro e decidiu pagar por isso. Talvez esse seja o caminho inicial de muitos de nós, todos precisaremos de apoio.