Compartilhe

Os primeiros capítulos disponibilizados aqui no blog serão apenas uma versão beta, podendo sofrer alteração em sua estrutura, mas não na história. Gostaria que acompanhassem o inicio do projeto deixando suas impressões sobre o mesmo. Não tenho certeza até que capítulo irei lançar. A previsão inicial é de que o e-book fique pronto em meados de Julho. Logo, não haverá razão para continuar postando os capítulos semanalmente aqui no blog.
Mas até lá, vocês poderão degustar dos primeiros capítulos dessa história.

Boa leitura.



Prólogo


Vi uma luz intensa no meio da escuridão. Meus músculos desgastados adormeciam num chão duro e gelado. Uma longa vertigem me consumia impedindo-me de averiguar onde me encontrava.

Então notei que a luz era artificial, suspensa no teto de um recinto. Virei minha cabeça e percorri os olhos pelas paredes de tijolos barrentos que margeavam minha posição. Observei o chão de concreto se alongando até sumir na escuridão.

Logo percebi que estava num corredor sombrio, onde algumas lâmpadas sobre mim jorravam uma claridade ofuscante no plano. Porém, mais ao longe a negritude imperava. E o silêncio que antes governava foi cortado por passos ecoantes. Alguém se aproximava.

Mantive meus olhos fixos na escuridão onde os passos reverbavam.

Quem é?

Queria que meus membros não fraquejassem ao meu estímulo de movimento. A fraqueza não me deixava levantar. Os passos no escuro se mantinham.

Quem é?

Desejava que as lâmpadas naquela escuridão acendessem assim como aquelas que irradiavam sobre mim. Mas o breu negro permanecia.

Quem é?

O som dos passos, único barulho que cortava todo o silêncio, tornou-se muito mais forte. Quanto mais me aferrava em olhar para aquela região negra mais ela parecia se avolumar.

Quem é?

Foi então que meus olhos começaram a pesar. Já não suportavam mais ficarem abertos. Mas falta tão pouco, tão pouco para vê-lo. Minha vontade de permanecer ali não valia nada. Sentia que alguma força me tragava para fora daquele mundo.

Quem é?

Embora a escuridão ainda permanecesse, o som dos passos diminuía. Eu estava regredindo para a escuridão de meu sono. Estava o perdendo.

Quem é?

E logo, nada mais escutei.

6 comentários:

Fernando disse...

Não sei se foi intencional, mas a repetição da pergunta "Quem é" deu um ritmo equilibrado na narrativa que fez a sensação de suspense aumentar gradativamente.
Gostei dessa abordagem.

Leonardo Schabbach disse...

Legal, cara. Gostei bastante do texto, comentarei lá pelo fórum =)

Yokuo disse...

Uia, uia, uia!! Prólogo misterioso, sinistro e tenso! Que curiosidade em saber quem narra, quem se aproxima e que lugar é aquele!

Muito bom, Luiz! Construiu um início excelente! Mal posso esperar até o Capítulo 1!

Luiz dreamhope disse...

Nossa, fico feliz que o prólogo tenha agradado. A questão do "quem é" foi mesmo intencional pra criar uma tensão gradativa.
Yokuo, tá sem empolgando, hein. Vamos ver se consigo levar esse mesmo resultado até o final do livro.
Obrigado pelos comentários pessoal. Logo, lanço o cap 1.

Isie Fernandes disse...

Nossa, Luiz, muito bom mesmo, parabéns!

Luiz dreamhope disse...

Obrigado, Isie. Continue acompanhando. ;)