Compartilhe

Você está lá, acompanhando os desafios estonteantes de um personagem, encantando-se com um cenário incrível, vivendo grandes emoções, e então, chega alguém e lhe dá uma porretada na cabeça (mentira! Ela só perguntou se você já varreu o quintal ou qualquer outra coisa COMPLETAMENTE IRRELEVANTE na ocasião, o que, figuramente, é o mesmo que você levar uma pancada na cabeça e acordar para uma ignorante realidade). 



Pois é assim que funciona uma sociedade que não tem o mínimo de consciência acerca do que é "ler". Para muitos, é apenas uma palavra terrível que possuí raízes de assustadoras tradições escolares que empregam a leitura como um castigo, pelo menos para os que veem dessa maneira. Num páis como o Brasil, que possuí um número lamentavelmente baixo de leitores, criou-se alguns pensamentos ignorantes sobre tudo o que cerca a leitura. Uma delas, que estou desabafando neste post, é aquela cena onde somos interrompidos "inocentemente" por alguém. 

Normalmente (assim espero), essas pessoas que nos interrompem não são leitoras, pois, se fossem, certamente teriam consciência do grande pecado que estariam cometendo. Não interessa se meu time ganhou, se alguém deixou algum recado pra mim( a não ser se for urgente), se eu já comprei tal coisa, se farei alguma coisa no dia seguinte, se eu já coloquei o lixo pra fora; são perguntas tão irrelevantes, que eu me vejo vivendo numa sociedade estúpida sem um pingo de noção. Será que não percebem que "ler" é uma ocupação? Essas pessoas sempre tomam alguém que está lendo como alguém que está simplesmente passando o tempo, que não está fazendo nada demais, ou até mesmo, que está tão entediado que pegou um livro pra ler. Os campeões de interrupções, geralmente, são justamente os familiares, que sempre nos importunam com perguntas extremamente banais. E isso é só um pequeno fato consequente da falta de maturidade em relação a ausência de leitura no páis.

Se a interrupção é assim tão frequente na leitura, imagine na escrita? Quando estou escrevendo(totalmente concentrado), e chega alguém reclamando de alguma coisa, sem o mínimo respeito pelo meu trabalho, sem nem sequer saber sobre o que estou escrevendo (pode ser uma postagem de um blog, um capítulo de meu livro, ou um trabalho complicado para a faculdade), como se isso não fosse nada? Como dizia Sofocleto( eh, nome bonito): "Escrever é uma maneira de falar sem ser interrompido". 

Mas não perderei as esperanças. Ainda sonharei com o dia em que leitores serão respeitados nos momentos em que são leitores. Idem para os que são escritores. 

6 comentários:

Anônimo disse...

Infelizmente a mesma coisa acontece em milhares de casas desse país. Ótimo post, Dreamhope.
Ah, eu queria pedir para você postar em uma próxima postagem as antologias que ainda estão abertas.

Luiz Teodosio disse...

Pois, é. É uma situação complicada. Quem sabe isso possa ser atenuado num futuro próximo pela nova geração de leitores de hoje.
Pode deixar. Vou dar uma sondada geral pelas antologias que ainda estão ou irão receber contos. Elas são muito importantes para descobrir novos escritores.
Obrigado pelo comentário.

Dan Pimenta disse...

Ah! Como isso sempre me acontece!!!
Ontem mesmo quase "briguei" com os demais habitantes da minha casa, só porque eu não estava conseguindo reler Amanhecer!!!

Ótimo desabafo, muito bom mesmo! *_*

Srta Plens disse...

Não querido, você não é o único.
Imagina só, estar lá no final do livro quase chorando quando um amigo vem e fala: Ei você fez tal questão de Matemática?
AI QUE ÓDIO!! Até recuperar o espírito da coisa, lá se foi tempo. Estragou totalmente o final ¬¬

Luiz Teodosio disse...

@Dan Pimenta

O negócio é trancar a porta do quarto e pendurar um papel escrito: Não perturbe!

@Srta Plens

Seu relato doeu até em mim. Ser interrompido no climáx do livro por causa de questão de matemática é o cúmulo. E vc sempre se lembrará, quando reler o livro, que vc foi atrapalhada pelo seu incoerente amigo. Dá uns murros nele que ele nunca mais vai se atrever a fazer isso. :P

Yumi Moony disse...

Esse tipo de situação é horrível! pior que semmpre são os pais que vêm importunar. Graças a deus eu moro sozinha agora, mas quando morava com meus pais, geralmente era minha mãe que entrava no quarto pra perguntar se eu queria comer alguma coisa.
E não tem coisa pior que vc estar concentrado quando aparece alguém e te desconcentra totalmente! Eu pelo menos não consigo me concentrar escrevendo ou lendo uma coisa com uma pessoa buzinando do meu lado. XD